LinkedIn não é Facebook

LinkedIn não é Facebook!

Não adianta insistir. Eu não adiciono quem eu não conheço e ponto.

Essa postura adotada por algumas pessoas é essencial para um networking efetivo e de qualidade.

O LinkedIn não é o Facebook. Eu não adiciono alguém à minha rede somente porque compartilhamos uma conexão, trabalhamos na mesma empresa ou estudamos na mesma instituição. Eu trato meu LinkedIn como uma ferramenta para networking mesmo e por isso, as pessoas na minha rede são pessoas que eu conheci pessoalmente, convivi, troquei cartões de visitas após uma conversa ou com quem já fiz negócio e pode acreditar. Eu tenho um forte motivo para isso.

Participo de vários encontros e cafés da manhã de networking, conheço muita gente interessante e quando troco cartões com essas pessoas enfatizo que, minha rede de relacionamentos no LinkedIn é atualizada e de qualidade. Conheço todas as pessoas que lá estão e tenho o celular da maioria delas.

Quando uma referência de conexão me é solicitada, tento entender o máximo possível o motivo pelo qual esta conexão está sendo solicitada e ao invés de simplesmente passar um contato solicitado, eu faço a ponte entre as pessoas conversando por telefone, pessoalmente ou via mensagem com ambas para estreitar o relacionamento entre elas.

O LinkedIn tem inúmeras ferramentas que possibilitam encontrar pessoas com base nas empresas em que trabalham, posição, tamanho da empresa, tempo na função entre outros. Quando preciso de contato de uma pessoa que está conectada à uma pessoa que eu conheço, fica fácil acionar minha rede de relacionamentos para atingir o objetivo.

Se eu quero encontrar os VPs da Bosch no Brasil por exemplo, o LinkedIn me mostra quem são eles e quem da minha rede está conectado a ele.