5 mitos sobre vídeo marketing

5 MITOS SOBRE VÍDEO MARKETING

1. Vídeo bom é aquele com menos de 3 minutos

Sabe aquela resposta padrão? Essa mesma que você está pensando agora. “DEPENDE PRA QUE!” A idéia de que um potencial consumidor não assistirá um vídeo por mais de 3 minutos é simplesmente absurda. O fato é que, o que dita o quanto uma pessoa passará assistindo a um vídeo vem de 2 fatos principais:

1. Qualidade do conteúdo e;
2. O ponto que o cliente se encontra no processo de compra.

Imagine que uma pessoa acabou de decidir que vai construir uma piscina no quintal de casa. Neste momento, de um ponto de vista de marketing, esta pessoa está no topo do funil e durante esse período de pesquisa, as chances são dela querer consumir vídeos curtos para obtenção do máximo de informações possíveis.

Mas vamos assumir que essa pessoa começa a realmente levar em consideração a construção da piscina ao ponto de neste momento estar pesquisando formatos, aquecimento, cobertura, etc.

Você acha que nesse momento essa pessoa estaria disposta a assistir um vídeo de 10 minutos?

A melhor estratégia é criar vários vídeos. Do vídeo de 30 segundo ao vídeo de 10 minutos e apresentá-lo no momento oportuno às pessoas interessadas.

2. Para produzir um bom vídeo é necessária uma equipe

Nem sempre. Esse vídeo aqui foi feito integralmente por mim. Como foi filmado com uma câmera fotográfica point-and-shoot da Canon S95, o tempo de vídeo é menor e por isso eu pedi para uma pessoa ficar olhando para a câmera pra ver se ela não desligava.

Obviamente se estivermos falando de vídeos institucionais com imagens aéreas ou de alta qualidade com som surround é diferente, no entanto esse vídeo entrega a mensagem. Teve mais de 19.000 visualizações no Youtube e vendeu o que se propôs a vender.

3. Você precisa memorizar um script ou ter um teleprompter

Você acha que eu memorizei tudo que eu falei no vídeo? Claro que não. Dá pra perceber pelo tom e estilo do vídeo. É como se eu estivesse conversando com um cliente.
Não dá pra simplesmente ligar a câmera e despejar um monte de conteúdo sem um roteiro. Mas da mesma forma que você explicaria seu produto ou serviço para um cliente, você consegue fazer olhando para a câmera. Escreva tópicos base e siga-os no seu vídeo para não perder a lógica.

4. É muito caro fazer um vídeo que venda

A grande maioria dos vídeos virais que assistimos no Youtube custam muito pouco ou nada para serem produzidos.

O mais engraçado é que tem muito jovem que entende isso e está se dando muito bem em canais altamente acessados no Youtube gravando seus vídeos com câmeras fotográficas baratas, filmadoras de baixo custo e até mesmo em seus smartphones.

Veja o exemplo da Kéfera Buckman do Canal 5incominutos. Com mais de 2.200.000 pessoas inscritas em seu canal ela ainda continua iluminando os vídeos dela com um iPhone preso com fita crepe à filmadora.

11012615_10153064009935753_8971913526540941857_o

5. Seus vídeos devem ser criativos, inovadores, originais, etc, etc, etc…

Uma boa aula sempre começa com uma boa comunicação. Por isso que alguns vídeos são tão bons. O produto ou serviço está sendo demonstrado de maneira simples e objetiva sem que o consumidor tenha que fazer grandes esforços para entender a mensagem.

Os melhores vídeos tutoriais são os mais simples e com linguagem do dia a dia. Uma pessoa normal ensinando uma receita por exemplo muitas vezes faz mais sucesso que a Palmirinha.

Chegou a sua hora de tentar

Seja você uma pessoa que já entende o potencial de um vídeo na venda de um produto ou serviço ou alguém que ainda nem gravou seu primeiro segundo, é hora de começar a dar ao consumidor o que ele deseja. Maior que fazer seu consumidor querer alguma coisa é fazer algo que ele quer.

Comece já!

Coloque-se na posição do consumidor e pondere todas as questões, medos, preocupações ou decisões que ele possa ter e responda isso para a câmera.
Fazendo isso você ganhará sua confiança.

E no fim das contas, todo negócio, independentemente de ser produto ou serviço, termina em uma única palavra. CONFIANÇA!